Newsletter
Notícias

Educação: como o cooperativismo pode ajudar as escolas a se destacarem

17/05/2018

Com o apoio das escolas, é possível ensinar conceitos de trabalho em equipe, cooperação e democracia, princípios diretamente ligados ao cooperativismo. Repassar esses conhecimentos não beneficia somente a comunidade escolar, como impacta todos ao seu redor. Assim, as escolas se destacam por meio da inovação e   em sociedade.

A ideia principal deve ser promover e incentivar a cooperação entre os alunos. Se todos trabalharem corretamente e cumprirem com a sua fatia de responsabilidade, consegue-se alcançar os objetivos com mais facilidade. Esse é um desafio enorme, pois todos devem se dedicar igualmente”, comenta o professor de gestão financeira e contabilidade do IBE, conveniado da FGV, Diego Barbieri.

Cooperativismo como base da vivência em comunidade

Infelizmente, a educação cooperativista caminha a passos curtos no Brasil. Com o modelo tradicional que ainda prevalece, introduzir essas mudanças na comunidade escolar pode levar um tempo. Porém, agregar os pilares do cooperativismo no dia a dia das instituições de ensino pode ser uma boa saída para uma mudança social.

Segundo Joeval Martins, professor de Empreendedorismo e Marketing Digital do IBE, conveniado da FGV, o cooperativismo é capaz de ensinar aos estudantes a formação de conhecimentos sobre liderança, empreendedorismo, educação financeira e inclusão social. “A escola que abraçar essa causa e conseguir trabalhar dentro desses quatro pilares certamente será parte de uma grande inovação. Viver em comunidade é uma das maiores lições que o cooperativismo pode trazer para dentro de uma escola”, esclarece.

Ensinar empreendedorismo por meio do trabalho em equipe

Trabalhar práticas cooperativistas em sala de aula, como interesse pela comunidade, gestão democrática, autonomia e independência apenas proporcionará benefícios para professores, estudantes e comunidade. Dentro dessas condutas, encaixa-se o empreendedorismo, algo que ainda precisa ser desenvolvido dentro das escolas brasileiras.

Com o cooperativismo, é possível ensinar para os estudantes como funciona o modelo econômico social que gera e distribui riqueza de forma proporcional ao trabalho. Com isso, eles são capazes de desenvolver formas de aplicar isso em suas rotinas, ao criar uma cooperativa educacional com aulas de reforço, por exemplo. Assim, potencializa-se o conhecimento dos alunos e ajuda quem tem dificuldade em certas matérias”, pontua Martins.

O cooperativismo está mais atual do que nunca no meio em que vivemos hoje. Passamos por um momento em que ocorre uma convergência para otimizar os recursos dos trabalhos comunitários e por compartilhamento. Isso porque a prática é a união de pessoas com objetivos em comum buscando resultados em comum. Se trouxermos esse raciocínio para o ambiente estudantil, conseguimos potencializar ainda mais os conhecimentos desses estudantes”, conclui Barbieri.

Conexão Seguros Unimed