Newsletter
Notícias

Cooperativas nas compras públicas: Selita vence pregão presencial e distribuirá leite nutricional ao município de Itapemirim

17/04/2019

O objetivo das cooperativas em participar das compras públicas é o de promover o desenvolvimento econômico e social no âmbito regional, a maior eficiência das políticas públicas e o incentivo à inovação tecnológica. E isso a Selita, cooperativa de laticínios, faz muito bem. 
Com mais de 80 anos de atuação e presente diariamente nas mesas dos capixabas, faz muito bem a cooperativa venceu a concorrência pública de 2019 da Prefeitura de Itapemirim, no sul do estado, e será a responsável por abastecer o programa “Leite é Vida”, que atende mais de três mil crianças desde maio de 2018 e distribui diariamente um litro de leite, com todas as exigências especificidades nutricionais, às crianças entre seis meses a sete anos de idade, que frequentam as escolas municipais.

O projeto se apresenta como forma de combater a desnutrição alimentar da população infantil que frequenta a Rede Municipal de Ensino nas Creches, Educação Infantil, Educação Especial e Ensino Fundamental na faixa etária estabelecida. Todas as escolas da rede pública de Itapemirim já estão sendo contempladas.
“É importante que o Estado tenha uma política pública de compras governamentais que beneficie as micro e pequenas empresas, as cooperativas e empreendedores em geral. Essa política fortalece a economia local, a inovação tecnológica e gera emprego e renda para a população, principalmente do interior”, ressaltou Presidente da Selita, João Marcos Machado. 
Além do Presidente e da diretoria executiva da cooperativa, outro ator fundamental para essa conquista foi o gerente
Comercial Eclezio Luiz Sarti Bragança. E com ele a equipe de comunicação do Sistema OCB/ES fez uma entrevista “ping pong”. Confira abaixo: 
Qual a importância das cooperativas das compras públicas?
É muito importante, pois temos 80% dos nossos produtores, são pequenos. Temos uma dificuldade muito grande de Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), por isso nos dificulta em atender as licitações de Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), temos capacidade de produção de toda a linha e preço, só que ficamos retido pelo volume de DAP. 
A Selita demonstra a necessidade e importância de as cooperativas diversificarem suas linhas de estratégia de comercialização. Como isso começou? Quais os desafios e planejamento de ampliação de mercado para 2019?
Sim, estamos em fase de crescimento da nova Planta Industrial, para nós que temos hoje uma linha de produto bem diversificada, que podemos atender tudo de uma licitação de laticínios, com produção na própria planta industrial, dentro do nosso estado. Começamos a quatro anos, ganhando o PAA em Cachoeiro de Itapemirim, por ser a nossa cidade, fizemos um cadastro no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF) e começamos a participar de licitações federais, tendo uns bons resultados. Começamos também em 2018, com o pregão na Prefeitura de Itapemirim, um produto solicitado por nutricionistas da prefeitura. Sim, queremos ter uma ampliação de mercado, já estamos providenciando novos escritórios parceiros, para licitação em todo o Brasil.
A cooperativa participa ou participará de outros editais públicos para atender outros municípios?
Poderemos, se acontecer alguma mudança nos editais públicos, porque você tem cooperativas pequenas com volume de DAP grande, e não produz os produtos, fazem terceirização. E nós temos capacidade de produzir todos os produtos dentro do nosso estado, assim retendo até mais impostos para o governo, empregos e preços melhores. 
Qual a sensação e ver a cooperativa cresce e poder atender as crianças da cidade natal com seu principal produto, o leite? 
Foi muito bom, com o pregão feito pela Prefeitura de Itapemirim, que faz parte da nossa bacia leiteira, com grande volume de produção. As nutricionistas da prefeitura exigiram um produto, que nós atemos com todas as exigências de qualidade, logística e armazenamento. E já caminhando para o segundo ano consecutivo, atendendo um pregão que só a Selita teve condições de atender. Isto mostra como podemos fazer muito mais dentro do estado do ES.

E você dirigente de cooperativa, sabe para ser contratado pelo governo, sabe o que deve ser levado em conta? 
É fundamental que as cooperativas interessadas em comercializar com o governo estejam atentas aos dispositivos de cada edital. Vale analisar o volume de produtos requeridos, o tempo de entrega, a viabilidade de produção e a lista de documentos exigidos. Alguns editais requerem certidões específicas e, por isso, o Sistema OCB teve o cuidado de preparar um passo a passo explicando tudo que a cooperativa vai precisar saber antes de se inscrever no processo de compra. Também serão disponibilizadas em breve cartilhas sobre modalidades e programas específicos de compras públicas, como é o caso dos programas de compras da agricultura familiar.
E, se ainda tiver alguma dúvida, o representante da cooperativa pode entrar em contato com a OCB para obter mais informações sobre como participar de cada processo. Assim, esperamos ajudar o setor crescer e a gerar mais renda para milhares de brasileiros.

Gustavo Ribas - Analista de Comunicação